Notícias‎ > ‎

Um encontro com a vida de Madre Teresa mudou "O último sobrevivente"

Publicado a 29/11/2012, 13:16 por Panda Reguila   [ atualizado a 29/11/2012, 13:20 ]
O conhecido aventureiro da televisão confessa que a fé «é a sua coluna vertebral» e «unificador da sua família». Um grave acidente e a Madre Teresa mudaram a sua vida.

Bear Grylls
é um sobrevivente. Conhecido em todo mundo pelo sucesso dos seus programas de televisão, onde  tem sobrevivido a duras experiências no deserto, a selva ou no Árctico, este britânico reconhece que não seria nada sem sua fé. De facto, seu exemplo de vida é o de outra aventureira, mas muito diferente dele: a Madre Teresa de Calcutá.

Conhecido por ser o protagonista de ‘O último sobrevivente” em canais como Discovery Channel ou SIC Radical, foi membro das forças especiais de Reino Unido e é uma das pessoas mais jovens a conseguir escalar o Everest. No entanto, longe de se vangloriar pelos seus sucessos, Grylls diz apostar pelas coisas mais simples: “a minha fé, a minha família, os meus filhos”.

"A fé tem sido uma força tranquila nas minhas aventuras"
Este aventureiro, que se partiu as costas num salto em para-quedas, assegura que suas experiências na natureza e no Exército lhe demonstraram que um homem orgulhoso nunca dirá que precisa ajuda mas “eu já não tenho medo de admitir que sim preciso ajuda”. É por isso pelo que afirma que “minha fé cristã tem sido uma grande força silenciosa e uma sólida coluna vertebral através destas aventuras”.

Apesar de que sempre acreditar em Deus, Bear Grylls tem sempre muito presente um acontecimento que realmente mudou sua vida e sua percepção das coisas. Habituado a ver o mais espectacular da terra deu conta de que a verdadeira força está no que aparentemente é mais frágil.

O evento que mudou a sua vida
Fala da beata Teresa de Calcutá. “Quando visitei seu lugar de trabalho em Calcutá comoveu-me de sobremaneira ver que uma senhora tão pequena que pudesse irradiar tanto amor numa cidade com tantas dificuldades”, assegura.

“Descobri que realmente o que importa são as relações com as pessoas” e o que uma pessoa recebe quanto mais se dá às outras. “Sua cara era a luz personificada e nenhuma quantidade de dinheiro pode comprar essa luz”, relatava à Catholic Digest Magazine.

Grylls sente uma relação muito próxima com Deus e vê-O em todas as actividades que realiza por todo mundo. “Trata-se de ser capaz de escalar as montanhas maiores do mundo junto à pessoa que as criou”.

O anjo que apareceu no barco
Nas suas aventuras à beira do impossível afirma ter muitos momentos de oração. Mas há um que recorda de maneira especial. Durante uma expedição deviam atravessar num bote insuflável o Oceano Árctico. Uma grande tempestade com chuva, vento, granizo, ondas gigantes veio-lhes ao encontro enquanto caíam ao seu redor grandes blocos de gelo. “Realmente deveríamos ter morrido”, admite Grylls, que acrescenta que “durante a noite, Nige um membro da equipa e que não era crente, viu um Anjo sentado na parte dianteira da embarcação”. Apesar das terríveis condições que sofreram durante dois dias chegaram ao seu destino a salvo e dando graças pelo dom da vida. “Nige encontrou uma fé maravilhosa após esse acontecimento”.

Esta conhecida personagem televisiva não se envergonha publicamente da sua fé, mais bem ao contrário, sempre que pode a define como sendo a sua “coluna vertebral”. “Quando era menino nunca questionei a Deus. Eu só sabia que Deus existia e que era meu amigo”. No entanto, reconhece que não foi sempre tão fácil crer como quando era um menino.

Seguidor dos cursos Alpha
“Lembro-me de ter tido um momento em que alguns amigos me viraram as costas de uma forma muito desagradável”, recorda. Só lhe restou uma solução: uma noite rezou e disse a Deus, “se és como eu te conhecia de menino, serás de novo esse amigo. Não foi mais complicado que isso. Na realidade, o mais surpreendente é que tudo o que Deus nos pede é que lhe abramos a porta e Ele fará o resto”.

Apesar desta aparente fé infantil, Bear Grylls não deixou de procurar resposta para as suas perguntas e de tentar ter uma fé madura. Por isso, é um grande partidário dos cursos Alpha, conversas de dez semanas de duração nas quais se aprofunda diferentes aspectos da fé e que têm milhões de seguidores por todo mundo. Nestes cursos respondem-se perguntas tais como: qual é o papel da Igreja, como nos guia Deus ou porque e como rezar, entre outras.

Na sua experiência este intrépido aventureiro confessa que “Eu vi Alpha tocou muitas pessoas” e “tenho visto a muitas pessoas encontrar uma fé através deles e eu os recomendo porque isso me ajudou muito”.

"Só Deus nos ama"
Na sua opinião, “às vezes é difícil crer, realmente crer, que Deus se preocupa e quer coisas boas para nós (…) que Ele realmente nos ama e que só quer que estejamos com Ele”.

Por que as pessoas se afastam da fé? As pessoas buscam a felicidade, mas não sabem onde. “Eu não conheço ninguém que não queira ser perdoado e encontrar a paz e alegria em sua vida. Eles tentam um monte de coisas e acho que as mulheres ou álcool ou ou o que seja os vai satisfazer, mas os não satisfaz", porque só Deus dá a vida em plenitude.

"A cola que nos une"
Esta fé que tanto o ajudou no seu trabalho também o fez na sua família. Bear está casado e tem três filhos. Assegura que a fé “é a cola que nos mantém unidos através de muitas lutas que a vida nos lança”. “A fé sustenta-nos”, afirma com sinceridade. “Estamos casados há mais de dez anos e olhando atrás penso que seria muito difícil que estivéssemos juntos senão fosse pela fé”.

É por isto que acrescenta que “os dois perdemos os nossos pais quando nos casamos e o apoiar na fé uniu-nos ainda mais. Rezamos com nossos filhos e eles oram por nós e é um grande vínculo o que nos une”. “Eu amo a minha família, a minha fé, meus filhos”, diz orgulhoso este aventureiro de nascença.



Comments